Final de ano: quem deve ficar com o filho na guarda compartilhada?

Quando chega a época de festividades de fim de ano, as brigas entre pais separados que têm a guarda compartilhada dos filhos tendem a aumentar. O motivo é o seguinte: quem vai ficar com os filhos no Natal e Ano Novo? Nesse contexto, opiniões conflitantes podem trazer muitas dificuldades, principalmente para as crianças, que se veem de mãos atadas no meio da situação. Se você tem dúvidas sobre como resolver o problema, continue lendo nosso blog!

A guarda compartilhada

A guarda compartilhada é aquela que preza a convivência da criança com ambos os pais, de uma maneira que os dois, juntos, trabalhem na educação e estejam presentes na vida dos filhos. Por conta de seus benefícios, é o tipo de guarda normalmente escolhida pelo juíz.
Se quiser saber mais informações sobre a guarda compartilhada, clique aqui e leia nosso blog sobre o assunto.

A escolha de quem passará as festividades com os filhos

O ideal, no caso de guarda compartilhada, é que um acordo seja feito previamente, de modo a intercalar as datas (Natal e Ano Novo), e os anos. Então, se no Natal de 2018 a criança passou o Natal com a mãe e o Ano Novo com o pai, em 2019 o ideal seria o oposto: que ela passasse o Natal com o pai e o Ano Novo com a mãe. Tendo tais questões pré-estabelecidas, é mais fácil evitar brigas e situações de estresse nessa época do ano.
Por outro lado, muitas vezes, além do acordo verbal, os responsáveis pela guarda compartilhada possuem uma agenda programada sobre essas datas. Nesse caso, o importante é ter flexibilidade, uma vez que viagens inesperadas para as festividades podem surgir, ou até mesmo reuniões familiares. Sendo assim, o diálogo é sempre o melhor caminho para que os pais entrem em acordo.

Caso não haja um acordo

Quando a resolução do assunto não é resolvida por meio de conversas, o que normalmente acontece é o pedido litigioso. Assim, recorrendo às vias judiciais, o acordo será feito diante o juiz, que a partir de audiências irá chegar a uma conclusão sobre o requerimento.
A priori, a principal tentativa do juiz será chegar a um consenso entre os pais, assim evitando maiores dores de cabeça. Entretanto, caso realmente não seja possível, ele levará em consideração a argumentação de ambos os responsáveis. Desse modo, o objetivo é decidir a situação que será de maior benefício para os filhos.
Ainda, é importante pontuar: para que o pedido litigioso seja atendido, ele não pode ser feito em cima da hora. Afinal, existe um número de trâmites que precisam ser seguidos antes da decisão judicial.

Para resolver os problemas

As situações em que pais com guarda compartilhada entram na justiça para passar o fim de ano com seus filhos não é ideal. Na verdade, o diálogo amigável é sempre o melhor caminho. Entretanto, se a decisão for realmente o pedido litigioso, não deixe de entrar em contato com um advogado de confiança, para que ele te oriente nessa decisão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *